Textos

FRANCISCO VALDOMIRO LORENZ (1872-1957)

 
Resultado de imagem para francisco valdomiro lorenz
 


František Lorenz ou Francisco Valdomiro Lorenz nasceu em 24 de dezembro de 1872, na aldeia de Zbislav, próxima à Cidade de Tcháslav, Boêmia, hoje República Tcheca. Foi um poliglota, um dos primeiros esperantistas do mundo, que se comunicava em mais de cem idiomas, inclusive indígenas e até sânscrito, sendo ainda ocultista, cabalista, iniciado, astrólogo, quiromante, ligado ao espiritismo, ao Círculo Comunhão do Pensamento e ainda colaborando por anos com o Almanaque do Pensamento, o qual criou. Apesar de vir de família pobre, não encontrou dificuldades para o estudo, sendo seu pai moleiro, chega Francisco a conhecer todas as línguas eslavas, latim, hebraico e grego até os 17 anos, e aos 18 publica seu primeiro livro, em esperanto. Mas em 1891 ele migra para o Brasil, por causa de uma ditadura socialista em terra tcheca, vivendo inicialmente em Rio de Janeiro, e depois em Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Em 1894, em Dom Feliciano, casou-se com Ida Krascheffski, uma jovem alemã que veio para o Brasil aos 7 anos de idade. Teve dezesseis filhos adotivos e quatro biológicos. Era um professor apaixonado, chegando a negar oferta de Getúlio Vargas para ser Ministro da Educação. Mas curioso que foi descoberto por Getúlio justo em recenseamento para ver a aptidão de professores, e questionado se falava outros idiomas, respondeu que mais de cem. Duvidaram de Francisco, e numa conferência de Rotary, ou semelhante, havia um japonês para o testar. Conversando com o japonês, ainda falou sem sotaque e sabia a origem da família do japonês, que viria da China, surpreendendo a todos. Publicou alguns livros via Federação Espírita, e um livro em especial, A voz do antigo Egito. Outro livro central seu é “O filho de Zanoni”, obra que relembra o Zanoni, livro aclamado de rosacruzes, pelo tom iniciático da mesma. Apesar de que muitos falam que essa sua obra não tem a mesma profundidade da original, e por ser mais focada em espiritismo, que rosacrucianismo. Eu mesmo citei Lorenz em meu livro “Bíblia e Misticismo”, quando comentei o Gênesis sob ponto de vista da cabala, o que foi de grande auxílio o seu livro “Cabala: tradição esotérica do ocidente”. Outra obra sua nesse sentido é “Diálogos Iniciáticos”, além de obras sobre quiromancia/leitura de mãos, e astrologia cabalística. Tinha o grau de doutor em cabala, pela Ordem Cabalística da Rosa-Cruz (OKRC), e citado na revista maçônica “União”, de outubro de 1965. Como foi dito, escreveu por mais de 20 anos no Almanaque do Pensamento, e ainda foi delegado geral do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento. Também fez ainda parte de várias sociedades secretas, como o Grupo Independente de Estudos Esotéricos e outras, já entre as citadas. Também escreveu livros sobre homeopatia, hermetismo, o Bagavad Gita , obra sobre Krishna, sobre Moisés, remédios caseiros e tantas outras. Admirado pelos esoteristas, não há quem um dia não cruzou com uma de suas obras ou elevados ensinos. Ele psicografava, mas não ficava o tempo todo mediunizado, e dava receitas naturais, trabalhando com ervas. Também era um iniciador, trazendo o martinismo, numa ordem interna ou secreta junto a Comunhão do Pensamento, que funcionava como porta de entrada a essa dimensão mais fechada. Maçom pelo rito de Memphis e Misraim, e possivelmente também de Rito Escocês Retificado, tem inclusive uma loja maçônica com o seu nome, no Brasil. Por fim, desencarnou no dia 24 de maio de 1957, às 13 horas, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, adentrando no Grande Oriente Celestial. Deixa antes de falecer, de forma extraordinária, cinco edições do Almanaque do Pensamento prontas, apenas restando as publicar, nos 5 anos seguintes.

 
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 23/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Mariano Soltys). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários