Textos

Uma casa mal-assombrada no Rio Vermelho. Assim liguei pra minha namorada, a Zelda, para darmos um passeio lá. Nem tanto namorada, mas mais um esquema, ficante. Alou! Oi querida, você quer dar um rolê? Oi mor, onde vamos? Ajudar uma pessoa, lá no Rio Vermelho. Dizem que tem uma casa onde apareceu fantasma, e as crianças que viram. Dizem também que o local era da família Swedenborg, mas sei lá, vamos sacar quando estivermos lá. Mas querido, você não acha que a piazada não está brincando? Sei lá. Rum... Chegando no local...  Veja, que lugar bonito, tem cachoeira. A casa é aquela com musgos e campo em frente. Tem uns bois e um cachorro veio nos atender. Era um vira-lata, meio amarelo, meio grande. Tive um frio na espinha. Mas acabou que um cara nos atendeu, dizendo que precisa que alguém ajude, por querer vender imóvel. Ao entrarmos, observando o porão, encontrei uma runa entalhada em viga de madeira
 que meu avô pelo que lembro, disse significar espírito. Possivelmente alguém, vivo ou morto, não queria a casa vendida. Mas essas forças nos controlam, e o invisível assusta Zelda, que apenas foi por minha causa.   Porém, isso me assustou, mais porque tem a ver com o galo de ouro que procuro.
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 10/07/2014


Comentários