Textos

Quando estava na casa abandonada de Serra Alta, assustado corri e vi um vulto passar rapidamente. A porta estava aberta e observei para ver se não havia nenhuma coisa que pudesse cair em minha cabeça. Abri a porta, a qual estava rangendo. Atrás da porta havia uma espécie de roda de água desenhada. Pensei na gravura e lembrei que se tratava de um Sol Negro, o qual segundo lenda estaria no centro do universo (e não o nosso Sol...). A casa cheirava a pó, ou a mofo. O assoalho estava quebrado e quase prendi meu tênis azul num buraco. Meu avô disse pra espalhar cheiro de verbena antes de entrar em locais assim. Fiz isso e o vulto passou no sótão. Quase urinei nas calças. Gritei Odin e entrei. Parecia um animal. Correu pra baixo. Corri atrás. Pulei a cerca. Tropecei e caí. Levantei e estava já sem ar. Subi um morro e escutei passos sobre folhas secas. Corri nervoso e com alho na mão. Quando peguei o punhal de defesa e achei um local sem saída, ocorreu de decifrar o enigma... surpreso, descobri que era um mistério menor do que eu imaginava...
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 23/08/2014


Comentários