Textos


CLÁUDIO GALENO (129-217)

images?q=tbn:ANd9GcR86344wOCd5GP5nUYhpLB6VUR6NaJ3gMfUAYWXLk3-K-cZNMgjMg
 
Médico romano de origem grega, que nasceu em Pérgamo, localizada em Bérgamo, atual Turquia, no ano de 129, no mês de setembro, de pai patrício, que se chamava Élio Nicon, matemático e arquiteto, que possuía diversos interesses, como lógica, astronomia, agricultura e filosofia. Sua biografia mostra a boa influência do pai. Este teria estimulado o filho a se dedicar a medicina desde seus 17 anos de idade, quando teve um sonho. Os seus estudos foram facilitados, por Pérgamo ser na época um grande centro cultural, apenas perdendo para Alexandria, e assim possibilitando uma formação a Galeno já nos seus 14 anos de idade. Não sem resultado, pois Galeno foi tido como referência essencial durante 15 séculos e teria escrito em torno de 400 obras. De interesse é que ele relacionava a medicina a filosofia, coisa que mais modernamente já não é feito, exceto em uma medicina holística ou mesmo medicina tradicional chinesa. Atualmente a biomedicina ganha cada vez um papel maior, e aquele médico antigo que era um terapeuta, em sentido amplo, está cada vez mais raro de se ver, se é que ainda existe. A figura do sábio que curava. Nesse perfil ainda estava Galeno, o pai da anatomia e da farmácia. Mas seus relatos de anatomia eram baseados em macacos, uma vez que não era permitida a dissecção em humanos. Descreveu assim ações de veias, artéria, coração, nervos do crânio, ossos etc. Mas via a si mesmo como médico e também filósofo. Assim escreveu uma obra chamada “O melhor médico é também um filósofo”. Isso que aqui nos interessa. Uma vez que a cura envolve tanto o corpo quanto a mente, ainda se provando a influência psicossomática, não foi estranho que quando médicos começaram a tratar da psicologia. Freud acabou sendo um divisor de águas, mas muitos anteciparam prática que tinham efeitos curativos semelhantes a da psicanálise. Galeno chega a escrever uma obra chamada “Sobre as moléstias da mente”, inclusive. Pelo seu pai, Galeno era destinado a ser filósofo e político, e era assim preparado. Mas certa vez teve um sonho com deus Esculápio, e assim decidiu que o filho deveria ser médico. Depois de estudos e formação, acabou com o cargo de médico da escola de gladiadores, especializando em intervenções cirúrgicas e alimentação. A influência do pai ou da família mostra grande importância, observando-se a busca pela carreira médica ou jurídica em muitas famílias, o que estimula o estudo e a busca filosófica. Galeno se tornou médico famoso, ainda mais quando curou um rico chamado Eudemos, e depois por ser médico do imperados Marco Aurélio e Lúcio Vero. Como disse Paracelso, Galeno seria classificado na medicina natural: “Medicina natural: Concibe y trata las enfermedades como enseña la vida y la naturaleza de las plantas y, según lo que convenga en cada caso, por sus símbolos o concordancias. Así curará el frío por el calor, la humedad por la desecación, la superabundancia por el ayuno y el reposo y la inanición por el aumento de las comidas. La naturaleza de estas afecciones enseña que las mismas deben ser tratadas por rechazo de acciones contrarias. Los defensores y comentaristas de esta secta fueron, entre otros, Avicena, Galeno, Rosis y sus discípulos”1. Apesar que teria dito que Galeno teria trabalhado muito mais que medicina caracterológica e presságios. Assim seria levada em conta uma linguagem corporal e o temperamento da pessoa, seu tipo psicológico. Já sobre os presságio reflete uma cultura de seu tempo, o que seria visto como comum. Mas sua visão tem resultado científico. Mas muito do que escrevi sobre Hipócrates se aplica aqui. Com as exigências que teve com sua fama, começou a receitar tratamentos com menos sabedoria e sem levar em conta o foco filosófico e de reequilíbrio natural. Basicamente sua medicina se baseia nops quatro humores ou temperamentos, o que já mostra grande saber e um aspecto de analisar a personalidade pelo corpo. Mas receitava poções e cirurgias para eliminar coisas, não prevenir. Falece em 217.
1Três Tratados, p. 19.
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 07/12/2015


Comentários