Textos


CLAUDE ADRIEN DE HELVETIUS (1715-1771)
Claude Adrien Helvetius
 
Claude Adrien Helvetius, ou Schweitzer, nasceu em 26 de Fevereiro de 1715, em Paris, de pai que era médico de Luis XV, ou melhor, médico de sua esposa, a rainha Maria Leszczynska. Provinha de uma família de médicos. Foi assim filósofo e literato francês, de modo que estudou no colégio Louis-le-Grand, de linha jesuíta, sendo aos 23 anos nomeado para o cargo de arrematador de impostos, do Tesouro Real, o que lhe rendeu grande soma. Assim, não passa por problemas financeiros, e isso ainda lhe auxilia a frequentar círculos literatos e intelectuais. Em 1751 se casa e renuncia ao cargo, indo morar no campo, onde passa a se dedicar a filosofia e a escrever. Dessa empresa, resulta o seu livro Do Espírito, que já não é bem visto pelos clericais, sendo condenado. Helvetius se baseava na filosofia do empirismo de Locke e no sensualismo de Condillac. Essa obra foi considerada herética pelo Papa Clemente XIII. Também escreveu a obra Do Homem, em que trata ademais do tema da pedagogia ou educação. Obras condenadas e queimadas em praça pública ou mesmo no parlamento francês. Com essas obras ganha notoriedade. Em 1764 vai para a Inglaterra, e depois para a Prússia, a convite de Frederico II, de modo que conhece outro intelectual de peso, D'Alembert, fundando assim a Academia de Berlim. Sua obra sobre a educação do homem seria apenas publicada postumamente. Leva esse pensamento de empirista e sensualista para o campo da moral e da política. Também escreveu mais obras, como “O verdadeiro sentido do sistema da natureza”, e “Os progressos da razão e a investigação do verdadeiro”. Suas obras completas tiveram mais de uma publicação, e preenchiam entre 5 e 7 volumes. Defende assim que o homem deve buscar o interesse a fim de ter mais prazer e felicidade. Isso parece de certo modo caminhar para o utilitarismo. A modernidade é um tanto herdeira do que pensou Helvetius, e hoje esses temas são tratados com maior tolerância, mas em seu tempo era um certo tabu. Principalmente para os religiosos, que de pronto se puseram a queimar em praça pública seu trabalho literário. Disse que “os vícios de um povo estão escondidos no fundo de sua legislação”. Rejeita também o que é sobrenatural, e assim acaba por tocar na ferida da Igreja. Não entende Deus como algo bom as pessoas. Atacou também a política feudal e autoritária de seu tempo, que mantém a desigualdade social. Disse que “o poder dos sacerdotes depende da superstição do povo”. Vemos ainda bem atual essa sentença, ainda mais com bancadas religiosas em nosso Congresso, e mesmo em justificações de rejeição de lei ou aprovação em motivos baseados no foco religioso. Ele fala bastante de educação. Condena sistemas que tratam com negatividade o prazer, na educação. Pode-se assim educar e modificar os indivíduos. Vê as pessoas como tábulas rasas. Diz que pouco ou nada influenciam os caracteres hereditários. As diferenças das pessoas são causadas mais por diferenças em seus interesses e motivação que os sistema educacional os proporciona. Refutou Rousseau em sua obra. E o homem sem paixões não tem motivo para viver. Desse modo, seu pensamento foi no sentido de se valorar o prazer e a felicidade. Não imaginava ele talvez no que ia se transformar a sociedade líquida atual, com a qual se debate Bauman, ou com seu turboconsumismo, como disse Lipovetsky. Fosse para a educação e formação para a busca da felicidade, seria melhor, mas se observa atualmente que há uma anulação total de saber justamente com a massificação cada vez mais propagadora de idiotismo, onde a mídia e outros meios manipulam cada vez mais as pessoas, com virtualização de sua felicidade, em celulares e redes sociais vazias de conteúdo. Os que caminham para escolas e livros talvez seriam o ideal de Helvetius, mas esses são raros. Os seres humanos para ele eram formatados pela educação. As ideias são úteis, prejudiciais ou indiferentes, as úteis levando a educar ou divertir, e as indiferentes aceitamos por hábito. Contudo, ele tinha um lado místico, também. “En el siglo XVIII aparecen en toda Europa hombres de esa taila, como Helvetius y Spinoza, que indagan a fonde en la alquimia y logran resultados que se guardan para si”1. Também Helvetius era um dos irmãos do avental, sendo maçon e inclusive fundando uma loja. Voltaire teria sido iniciado no ano 7 de Fevereiro de 1778, na Loja Les Neuf Soeurs, usando o avental emprestado da viúva de Helvetius, que era do mesmo. Essa loja era herdeira da Loja Des Science, fundada pelo próprio Hervetius. Falece em 26 de Dezembro de 1771.
1BLASCHKE, Santiago. La Verdadera Historia de los Masones. p. 62.
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 14/05/2016


Comentários