Textos


DENIS DIDEROT (1713-1784)

Z
 
Denis Diderot nasceu em 5 de Outubro de 1713, na pequenina cidade francesa de Langres, filho de Didier, que por profissão era cuteleiro, e de Angelica. Estudou em colégio de jesuítas, sendo um bom aluno em latim e matemática. Aos treze anos recebe a tonsura e é chamado abade. Depois vai para a Universidade de Paris, onde se graduou como mestre em letras. Já em Paris ingressa no Colégio Louis, le Grand, onde também Voltaire estudou, estudando lógica, física, matemática, moral e metafísica. Ele gostava muito de estudar. Depois passa a ler e a traduzir obras de eruditos. Ele também passou necessidade e a família não admirava sustentar um intelectual, e assim teve de ministrar aula de matemática e fazer alguns sermões para sobreviver. Busca assim a atividade profissional de procurador, mas após dois anos, a abandona, por desgosto. Também busca um casamento, com uma atraente mulher de 31 anos, Antoinette, casando-se contra a vontade de seu pai, que chega a pedir a prisão de Diderot. Mas o casamento foi conflituoso, uma vez que Diderot era boêmio, um tanto desordenado, e sua esposa era muito correta. Com esta tem uma filha, esta possuindo mesmo nome de sua mãe, Angelica. Mas por outro lado, ele arrumou uma amante, a Senhora de Puissieux, que também tinha problemas financeiros. Ocorre que foi assim convidado por editora para traduzir uma enciclopédia inglesa, mas achando o trabalho não combinar com o pensamento francês, propôs que se fizesse uma enciclopédia francesa. A proposta foi aceita, e em parceria com D'Alembert entrou nessa grande empreitada, que contaria com a participação de grande filósofos, como Voltaire, Rousseau e Montesquieu. A obra contaria com 28 volumes, tratando de todos os conhecimentos e temas de sua época, como ciência, filosofia, religião, arte e outros. A obra chega em sexto volume, tendo mais ou menos publicação de um volume por ano, mas ao atentar contra Luis XV, bem como ao entrar para o index da Igreja, muitos abandonam colaborar com esse trabalho. Diderot continuou sozinho com esse labor, na clandestinidade. A obra era perigosa tanto para a Igreja, quanto para quem governava. Mesmo sobre a ameaça de prisão, os editores conseguiram fornecer aos leitores até o volume 35. Diderot empobreceu com esse seu projeto, tendo assim que por a venda a sua biblioteca. A imperatriz da Rússia, Catarina II, teria comprado sua biblioteca e empregado Diderot como bibliotecário, com um salário anual. Sua obra pode assim ser inspiradora da Revolução Francesa, em seu aspecto ideológico. Disse: “Faça-se aquilo que se fizer, nunca se perde a honra quando se é rico”. Isso se revela transparente em nossa sociedade consumista, onde o dinheiro se tornou o principal instrumento de poder. Também falou: “Os loucos mais perigosos são aqueles criados pela religião, e determinadas pessoas, cujo objetivo é dividir a sociedade, sempre sabem como fazer bom uso deles na ocasião oportuna”. Isso mostra o fanatismo e fundamentalismo que o mal uso da religião já levou as pessoas, com crimes praticados em nome de crenças estranhas, tradições primitivas e mais uma série de ocorrências, como guerras motivadas por fundamentalismo religioso e petróleo, como a de Iraque e Afeganistão. Mas antes de publicar sua enciclopédia, Diderot foi preso, e só publicaria após jesuítas serem expulsos. Mas Diderot escreveu ainda as obras um tanto humorísticas, como: “A Religiosa”, “As Joias Indiscretas”“O Sobrinho de Rameu”e “Jacques, o Fatalista e Seu Amo”. Também assim como Voltaire, Helvetius e outros, Diderot possivelmente estava ligado a Maçonaria, ou aos Illuminati, que também cresciam com o poder daquela. Como lembra a Enciclopédia Mirador internacional, sob o verbete 'Iluminismo', está: "Entre os sucessores do Iluminismo está a Maçonaria" (v. 11, p. 5.982). Sobre ligação entre Illuminati e Iluministas, os próprios relatos presentes em sites oficiais demostram isso na base da doutrina, que é racional, e mesmo pelas fontes de pesquisa por eles tidas de confiáveis. E segundo Ambrósio Peters, a influência iluminista na Maçonaria foi temporária, uma vez que é uma Ordem universalista e que mantém um aspecto religioso. Afirma: “Na verdade, pode a Maçonaria ter sofrido influência dos Iluministas, mas essa influência foi temporária, pois no mundo atual a maioria absoluta dos Maçons é de cristãos”1. Influências semelhantes se deram com ideais liberais, republicanos e outros, mas que foram acrescentadas e presentes em determinado momento histórico. Diderot estava no embalo desse aspecto intelectual e era uma mudança de paradigma, antes muitas vezes envolvido de fanatismo religioso, obscurantismo ou um tomismo que não era questionado. Denis Diderot por fim faleceu em Paris, França, no dia 31 de julho de 1784 e seus restos mortais encontram-se sepultados no Panteão de Paris.




















 
1PETERS, Ambrósio. Iluminismo e Maçonaria.
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 18/05/2016


Comentários