Textos


JOHANNES KEPLER (1571-1630)

images?q=tbn:ANd9GcRRzIiRQwPToGcjYthWXG27jumPyRjg-F4uUQgmsGTzZFn2PQsMkg
 
Johannes Kepler foi astrônomo, matemático e astrólogo alemão, que nasceu em 27 de dezembro de 1571, em Weil der Stadt, filho de Heinrich Kepler, que era funcionário luterano a serviço de Duque de Brunswick e mercenário, de modo que morreu quando ele ainda era pequeno, e de Katharina Guldenmann, filha de um albergueiro e de proprietário de hospedaria, a qual lidava com ervas e curandeirismo, sendo depois julgada por bruxaria, e neto de Sebald Kepler, que era lorde-prefeito da cidade, mas ao nascer a fortuna da família estava se perdendo, e possuía três irmãos, dois meninos e uma menina. Kepler nasceu fraquinho, sendo que depois teve varíola, que o deixou com vista enfraquecida e invalidez nas mãos. O pequeno Kepler trabalhava nessa hospedaria, lavando copos, ajudando na cantina e no campo. Os pais foram para a guerra e o deixaram com avô. O menino prodígio impressionava hospedeiros com seu talento matemático. Também aos seis anos teria visto a passagem de um grande cometa. Estuda na escola de Leonberg, onde aprende latim. Considerado inteligente, foi levado ao seminário de Adelberg, depois indo ao seminário de Maulbronn, passando quatro anos após para a Universidade de Tubinga, onde estudou o sistema copernicano. Ele foi assim um sistematizador desse sistema copernicano. Defende assim o heliocentrismo, ou seja, que o Sol era o centro do universo, e ainda leva esse entendimento para o campo teológico. Ele queria ser Ministro aos 23 anos, mas acabou sendo professor de matemática na escola de Graz, mais tarde Universidade de Graz. Ele tinha um modelo planetário para os seis planetas conhecidos, com os sólidos de Platão. Assim se comportavam em elipses, dentro de uma espécie de esfera. Já em dezembro 1595, ele foi apresentado a Barbara Müller, jovem de 23 anos de idade, mas viúva por duas vezes, que possuía uma filha pequena, Gemma van Dvijneveldt, de modo ele começou se interessar por ela. Ela rica, possuía a herança dos maridos e era filha de proprietário de moinho, Jobst, que foi contra o casamento, apesar da nobreza de Kepler, que embora ele tivesse herdado esta de seu avô, era pobre e se fazia mau partido. Jobst cedeu após Kepler completar sua obra Mysterium. Casando-se, tiveram cinco filhos, dos quais os dois primeiros faleceram, chamando: Heinrich, Susanna, outra Susanna, Friedrich e Ludwig. Conhece em seguida Tycho Brahe, matemático imperial de Rodolfo II, com o qual troca correspondências, sendo depois secretário de Brahe. Da escola também teve a oportunidade de publicar mais obras. Kepler não buscava bem a riqueza, e possuia uma fé neoplatônica e uma espécie de metafísica do Sol. Como lembra Pablo Cid: “Jamás buscó riquezas, ya que su obsesión era el conocimiento de las estrellas. Supo beber de las aguas del neoplatonismo renacentista, tomó lo bueno y rectificó lo malo de sus astrónomos contemporáneos, y se alejó tanto de las ambiciones mundanas como de la vanidad de los poderosos, ya que supo vivir de forma humilde hasta el final de sus días”1. Foi banido por não ter aceito o catolicismo. Também sua família foi perseguida por bruxaria. Ademais, Kepler fazia horóscopos, sendo astrólogo, ganhando dinheiro com a publicação de calendários astrológicos. Perde esposa e filho por varíola. Assim procura uma nova esposa, entre 11 possíveis, e casa-se com Susanna Reuttinger, de 24 anos de idade, e com ela possui seis filhos: Margareta Regina, Katharina, e Sebald Cordula (n. 1621); Fridmar (n. 1623); e Hildebert (n. 1625), sendo que os três primeiros faleceram. Esse casamento foi mais feliz que o primeiro. Ainda, foi ligado ao rosacruz Mögling, com divide um trabalho e ainda troca ideias sobre a dimensão hermética da matemática e da astronomia. Também Kepler acreditava na alma do mundo, ou uma espécie de alma do universo. A força de atração entre planetas era uma doutrina hermética. Outra ligação com ocultista foi com um professor seu, Simon Studium, que escrevia uma obra esotérica revelando aspectos cabalísticos ou numéricos do templo de Salomão, de duas mil páginas, chamada Naometria, e que fundaria uma sociedade secreta chamada Ordo Militia Crucifera Evangelicae, que combateria abusos do uso da cruz pela Igreja Católica, como de guerras religiosas. Teve ainda uma disputa com rosacruz Robert Fludd, por causa de uma publicação relativa a teoria harmônica. Wolfgang Pauli usa essa disputa entre Kepler e Fludd para a psicologia analítica. Em Buenos Aires há uma Loja Rosacruz chamada Kepler. Foi acusado de heresia pelas autoridades de Linz. Também Kepler escreveu livros de ficção científica, acreditando que um dia naves celestiais navegariam adaptadas aos ventos dos céus e explorariam a vastidão do Universo. Sua vida e trabalho assinalam o nascimento da astronomia moderna. Faleceu em 15 de novembro de 1630, em Ratisbona, Alemanha, durante a Guerra dos 30 anos.
1 CID, Pablo. Los Motores Ocultos del Renascimiento. p. 128.
Mariano Soltys
Enviado por Mariano Soltys em 22/05/2016


Comentários